En la China antigua existía la creencia de que todas las personas y sus circunstancias estaban unidas entre sí por un HILO ROJO que se podía torcer, enredar y tensarse, pero nunca romperse. Un hilo rojo invisible como anexo entre aquello que está destinado a encontrarse a pesar del tiempo y del espacio. (Sir Muse)

Bienvenidos a este encuentro!!!


Na China antiga, acreditava-se que todas as pessoas e suas circunstâncias estavam unidas por um FIO VERMELHO que poderia emaranhar-se, dobrar-se, ou esticar-se, mas nunca romper-se. Um fio invisível vermelho como um elo entre o que está destinado a encontrar-se, independentemente do tempo e do espaço. (Sir Muse)

Bem-vindos ao encontro!!!



1 de mayo de 2010

Se pudesses ver... - Graciela Paiz

Se pudesses ver através de meus olhos…
Verias dias sem tempo,
Verias um futuro sem anos.

Se pudesses ver através de meus olhos…
Verias meus cabelos brancos;
Verias minhas mãos, com as marcas do tempo,
descansando entre as tuas;
Verias nossas pernas pesadas percorrendo, sem pressa,
caminhos por onde não tivemos tempo de andar.

Se pudesses ver através de meus olhos…
Verias nossos corpos cansados repousando no
corpo do outro, buscando o calor que os anos roubaram;
Verias meu sorriso marcado pelo tempo,
te verias nele, porque ele é o resultado
da minha vida a teu lado.

Se pudesses ver através de meus olhos…
Verias nossas palavras converterem-se em canções,
porque elas representam o significado da vida em nós mesmos.
Verias dias tristes transformarem-se em esperança.
Esperança que cada um a partir de seu lugar no mundo
pôde transmitir aos outros.

Se pudesses ver através de meus olhos…
Verias que nada foi inútil, que com erros e acertos
a vida pode ser intensa e serena ao mesmo tempo.
Verias que não se pode descansar na sombra de milhões,
Verias que milhões podem receber tua essência
e tu a deles, mas no final de tudo só um é necessário.

Se pudesses ver através de meus olhos…
Verias que a liberdade não serve se não for compartilhada.
Me verias de branco, com coroa de flores;
Verias essas flores jogadas ao mar;
Verias que te amo… Além do tempo.

Tradução: Alber Barbosa

2 comentarios:

  1. Gra,

    Muito legal seu blog. Bonito, rico de informações e ao mesmo tempo, leve. Assim como você.;o) Do poema você já sabe que eu gosto. Vida longa ao seu blog e parabéns pela iniciativa. Aguarde as novidades.
    Abraço,
    Alex

    ResponderEliminar
  2. Adorei seu poema!!!! beijos

    ResponderEliminar